A Esfinge do Baluchistão: Fenômeno natural ou engenhosa criação humana?

Alguns acreditam que é uma formação rochosa natural, enquanto outros afirmam que é uma estátua antiga que foi esculpida por uma civilização desconhecida perdida no tempo.

Em 2004, a Makran Coastal Highway foi construída no Paquistão. Esta nova estrada ligava Karachi à cidade portuária de Gwadar e também facilitou o acesso dos turistas ao Parque Nacional Hingol, que fica a 240 km (150 milhas) de distância de Karachi. Este parque abriga a notável 'Esfinge do Baluchistão', uma colossal formação rochosa.

A Esfinge do Baluchistão: Fenômeno natural ou engenhosa criação humana? 1
A forma da Esfinge do Baluchistão é muito próxima do desenho e das proporções da Esfinge egípcia. Crédito da imagem: Wikimedia Commons

Não muito longe deste peculiar afloramento rochoso está outra estrutura peculiar chamada 'Princesa da Esperança' (mostrada na imagem abaixo). Embora se acredite que essas estruturas de aparência estranha sejam o resultado do vento e da chuva esculpindo a paisagem, não podemos deixar de nos perguntar se há mais na história.

A formação da Princesa da Esperança no Parque Nacional de Hingol.
A formação da Princesa da Esperança no Parque Nacional de Hingol. Crédito da imagem: Wikimedia Commons

Hoje, os arqueólogos estão explorando o vasta quantidade de evidências, sugerindo que civilizações existiram em tempos antigos antes da história registrada, e essa tecnologia avançada estava em uso milhares de anos antes de ser oficialmente inventada. Além disso, a Grande Esfinge do Egito está ganhando mais atenção devido aos padrões climáticos que apontam para uma data muito anterior de sua criação.

Bibhu Dev Misra, um autor indiano e pesquisador independente, comentou que a Esfinge do Baluchistão no Paquistão pode ser muito mais antiga que sua equivalente egípcia quando sua localização é levada em consideração. Ele descreveu o local como um “gigantesco complexo arquitetônico escavado na rocha”.

Na sua escrita, Dev Misra fez um relato da Esfinge, dizendo:

Uma olhada superficial na escultura impressionante mostra que a Esfinge tem um queixo bem definido e características faciais claramente discerníveis, como olhos, nariz e boca, que são colocados em proporções aparentemente perfeitas entre si.

De acordo com Dev Misra, assim como a Esfinge de Gizé, a formação paquistanesa parece incluir um cocar semelhante ao toucado de Nemes usado pelos antigos faraós, com suas marcas listradas em um pano que cobre a coroa e a parte de trás da cabeça de seu portador. As abas penduradas perto das orelhas também são claramente visíveis na Esfinge do Baluchistão, enquanto o sulco horizontal semelhante à faixa de cabeça faraônica pode ser visto adornando a testa.

A Esfinge do Baluchistão: Fenômeno natural ou engenhosa criação humana? 2
Uma olhada mais de perto na cabeça da Esfinge do Baluchistão. Crédito da imagem: Wikimedia Commons

As pernas e patas da besta mítica também são claramente definidas. Dev Misra escreve:

Pode-se facilmente distinguir os contornos das patas dianteiras reclinadas da Esfinge, que terminam em patas muito bem definidas. É difícil ver como a natureza poderia ter esculpido uma estátua que se assemelha a um conhecido animal mítico em um grau tão surpreendentemente preciso.

Dev Misra aponta ainda que a Esfinge fica no topo de uma impressionante plataforma de templo que apresenta algumas características bastante incomuns. Conforme ilustrado abaixo, existem nichos distintos e estruturas semelhantes a colunas na rocha abaixo da formação da Esfinge.

A presença de características simétricas em toda a área pode ser interpretada como resultado do esforço humano, negando assim a opinião popular de que o local foi criado pela natureza. Formações uniformes como degraus dão credibilidade à teoria de que o local é mais do que uma semelhança acidental com um templo.

A Esfinge do Baluchistão: Fenômeno natural ou engenhosa criação humana? 3
Algumas características do site lembram características arquitetônicas. Crédito da imagem: Pxhere

Dev Misra afirmou que os degraus foram divididos uniformemente e de tamanho equivalente, dando ao local uma sensação de magnificência. Era evidente que o complexo arquitetônico rochoso havia sido exposto a intempéries e ocultado por camadas de sedimentos, escondendo os detalhes mais intrincados das esculturas.

Apesar pesquisadores tradicionais descobriram essas estruturas do Baluchistão não passam de uma formação rochosa natural em seus estudos geológicos, pensadores inovadores como Dev Misra acreditam firmemente que o trabalho investigativo e a análise correta desse local distante no Paquistão podem provar ser a descoberta de outro civilização esquecida que existia antes mesmo do antigo período egípcio ou Gobekli Tepe na Turquia. É apenas uma questão de tempo para determinar o resultado.