Kaspar Hauser: O menino não identificado de 1820 aparece misteriosamente apenas para ser assassinado apenas 5 anos depois

Em 1828, um garoto de 16 anos chamado Kaspar Hauser apareceu misteriosamente na Alemanha alegando ter sido criado toda a sua vida em uma cela escura. Cinco anos depois, ele foi assassinado misteriosamente, e sua identidade permanece desconhecida.
Kaspar Hauser: O menino não identificado de 1820 aparece misteriosamente apenas para ser assassinado apenas 5 anos depois 1

Kaspar Hauser foi o infeliz protagonista de um dos mistérios mais bizarros da história: O Caso do Garoto Cativo. Em 1828, um adolescente apareceu em Nuremberg, na Alemanha, sem saber quem ele era ou como chegou lá. Ele não sabia ler, escrever ou falar além de algumas palavras simples.

Na verdade, ele parecia não saber nada sobre o mundo ao seu redor e até conseguia entender tarefas simples como beber de um copo só depois de vê-lo demonstrado várias vezes.

O menino também exibiu vários comportamentos grosseiros, como roer as unhas e balançar para frente e para trás constantemente - todas as coisas que seriam consideradas bastante vulgares na época. Acima de tudo, ele alegou que estava trancado em uma câmara até recentemente e não sabia nada de seu próprio nome. O que diabos aconteceu com Kaspar Hauser? Vamos descobrir…

Kasper - o garoto misterioso

Kaspar Hauser: O menino não identificado de 1820 aparece misteriosamente apenas para ser assassinado apenas 5 anos depois 2
Kaspar Hauser, 1830. © Wikimedia Commons

Em 26 de maio de 1828, um garoto de 16 anos apareceu nas ruas de Nuremberg, Alemanha. Ele carregava consigo uma carta endereçada a um capitão do 6º regimento de cavalaria. O autor anônimo disse que o menino foi entregue sob sua custódia, ainda criança, em 7 de outubro de 1812, e que ele nunca o deixou “dar um único passo para fora da minha (sua) casa”. Agora o menino gostaria de ser um cavaleiro “como seu pai foi”, então o capitão deveria acolhê-lo ou enforcá-lo.

Havia outra pequena carta anexada, supostamente de sua mãe para sua cuidadora anterior. Afirmava que seu nome era Kaspar, que ele nasceu em 30 de abril de 1812 e que seu pai, um cavaleiro do 6º regimento, estava morto.

O homem por trás do escuro

Kaspar alegou que, desde que podia pensar, passou sua vida sempre totalmente sozinho em uma cela escura de 2 × 1 × 1.5 metros (pouco mais do que o tamanho de uma cama de uma pessoa na área) com apenas um canudo cama para dormir e um cavalo esculpido em madeira como brinquedo.

Kaspar afirmou ainda que o primeiro ser humano com quem ele teve contato foi um homem misterioso que o visitou pouco antes de sua libertação, sempre tomando muito cuidado para não revelar seu rosto para ele.

Cavalo! Cavalo!

Um sapateiro chamado Weickmann levou o menino para a casa do capitão von Wessenig, onde ele repetia apenas as palavras “Quero ser cavaleiro, como meu pai foi” e “Cavalo! Cavalo!" Outras demandas provocaram apenas lágrimas ou a proclamação obstinada de “não sei”. Ele foi levado para uma delegacia, onde escreveria um nome: Kaspar Hauser.

Ele mostrou que estava familiarizado com dinheiro, sabia fazer algumas orações e ler um pouco, mas respondia a poucas perguntas e seu vocabulário parecia bastante limitado. Por não prestar contas de si mesmo, foi preso como vagabundo.

A vida em Nuremberga

Hauser foi formalmente adotado pela cidade de Nuremberg e dinheiro foi doado para sua manutenção e educação. Ele foi entregue aos cuidados de Friedrich Daumer, mestre-escola e filósofo especulativo, Johann Biberbach, autoridade municipal, e Johann Georg Meyer, mestre-escola, respectivamente. No final de 1832, Hauser foi contratado como copista no escritório de advocacia local.

A morte misteriosa

Cinco anos depois, em 14 de dezembro de 1833, Hauser voltou para casa com um ferimento profundo no seio esquerdo. Segundo seu relato, ele foi atraído para o Ansbach Court Garden, onde um estranho o esfaqueou enquanto lhe dava uma bolsa. Quando o policial Herrlein vasculhou o Court Garden, ele encontrou uma pequena bolsa violeta contendo uma nota a lápis em Spiegelschrift (escrita espelhada). A mensagem dizia, em alemão:

“Hauser será capaz de lhe dizer com bastante precisão como eu pareço e de onde estou. Para poupar o esforço de Hauser, quero dizer a você de onde venho _ _ . Eu venho de _ _ _ fronteira com a Baviera _ _ No rio _ _ _ _ _ vou até te dizer o nome: ML Ö.”

Kaspar Hauser: O menino não identificado de 1820 aparece misteriosamente apenas para ser assassinado apenas 5 anos depois 3
Uma fotografia do bilhete, escrita em espelho. Contraste aprimorado. O original está desaparecido desde 1945. © Wikimedia Commons

Então, Kaspar Hauser foi esfaqueado pelo homem que o manteve quando criança? Hauser morreu da ferida em 17 de dezembro de 1833.

Um príncipe hereditário?

Kaspar Hauser: O menino não identificado de 1820 aparece misteriosamente apenas para ser assassinado apenas 5 anos depois 4
Hauser foi enterrado no Stadtfriedhof (cemitério da cidade) em Ansbach, onde sua lápide lê, em latim, “Aqui jaz Kaspar Hauser, enigma de seu tempo. Seu nascimento era desconhecido, sua morte misteriosa. 1833.” Um monumento a ele foi erguido mais tarde no Court Garden onde se lê Hic occultus occulto occisus est, o que significa “Aqui jaz um misterioso que foi morto de maneira misteriosa.” © Wikimedia Commons

De acordo com rumores contemporâneos – provavelmente atuais já em 1829 – Kaspar Hauser era o príncipe hereditário de Baden que nasceu em 29 de setembro de 1812 e morreu em um mês. Alegou-se que esse príncipe havia sido trocado por um bebê moribundo e, de fato, apareceu 16 anos depois como “Kaspar Hauser” em Nuremberg. Enquanto outros teorizaram sua possível ascendência da Hungria ou mesmo da Inglaterra.

Uma fraude, um impostor?

As duas cartas que Hauser carregava consigo foram escritas pela mesma mão. O segundo (de sua mãe) cuja linha “ele escreve minha caligrafia exatamente como eu” levou analistas posteriores a supor que o próprio Kaspar Hauser escreveu as duas.

Um nobre britânico chamado Lord Stanhope, que se interessou por Hauser e ganhou a custódia dele no final de 1831, gastou muito dinheiro tentando esclarecer a origem de Hauser. Em particular, ele pagou por duas visitas à Hungria na esperança de refrescar a memória do menino, pois Hauser parecia se lembrar de algumas palavras húngaras e uma vez declarou que a condessa húngara Maytheny era sua mãe.

No entanto, Hauser não reconheceu nenhum edifício ou monumento na Hungria. Stanhope escreveu mais tarde que o fracasso completo dessas investigações o levou a duvidar da credibilidade de Hauser.

Por outro lado, muitos acreditam que Hauser auto-infligiu a ferida e acidentalmente se esfaqueou muito profundamente. Como Hauser estava insatisfeito com sua situação e ainda esperava que Stanhope o levasse para a Inglaterra como prometeu, Hauser falsificou todas as circunstâncias de seu assassinato. Ele fez isso em uma tentativa de reviver o interesse público em sua história e persuadir Stanhope a cumprir sua promessa.

O que o novo teste de DNA revelou?

Em 2002, a Universidade de Münster analisou as células do cabelo e do corpo de mechas de cabelo e roupas que supostamente pertenciam a Kaspar Hauser. As amostras de DNA foram comparadas a um segmento de DNA de Astrid von Medinger, uma descendente na linha feminina de Stéphanie de Beauharnais, que teria sido a mãe de Kaspar Hauser se de fato ele fosse o príncipe hereditário de Baden. As sequências não eram idênticas, mas o desvio observado não é grande o suficiente para excluir uma relação, pois pode ser causado por uma mutação.

Conclusão

O caso de Kaspar Hauser desconcertou todos que ouviram falar dele. Como alguém tão jovem pode ficar preso por toda a vida sem que ninguém perceba? Ainda mais estranho, por que Hauser não sabia coisas como quais letras ou números eram depois de ficar preso por tanto tempo? As pessoas pensavam que ele poderia ser louco ou um impostor tentando escapar da prisão.

O que quer que tenha acontecido, hoje não se pode descartar completamente que a vida de Kaspar Hauser pode ter sido apanhada na armadilha política da época. Depois de investigar sua história, ficou claro que Kaspar Hauser havia sido mantido em cativeiro por muitos anos antes de aparecer em público. No final, ainda não está claro como isso aconteceu e quem o manteve em cativeiro por tanto tempo.

Artigo Anterior
Titanoboa

Yacumama – a misteriosa serpente gigante que habita as águas amazônicas

Próximo Artigo
Novas evidências incríveis reveladas: Genomas antigos mostram migração da América do Norte para a Sibéria! 5

Novas evidências incríveis reveladas: Genomas antigos mostram migração da América do Norte para a Sibéria!